Escreva para o Seu Público e não Somente para Você.

Por Silvio Ferreira – https://www.silvioferreira.eti.br/

Você sabe a importância de escrever um livro conectado com seu público? Essa pergunta lhe parece meio estranha? Sem sentido? Continue até o final e verá que tudo faz muito sentido.

Preciso muito te dar dicas importantes de “coisas” que você precisa fazer ao escrever o seu livro. Vou direto ao ponto, sem enrolação.

Independente do tipo de livro que você vai escrever ou está em processo de escrita, é importante ter em mente que você vai escrever para o seu público, e não somente para você.

Existe uma diferença gigantesca naquilo que você acha que as pessoas querem ler ou precisam e naquilo que elas realmente querem, precisam e procuram.

Se seu livro for de terror, romances, e por aí vai, não há muito o que sugerir.  Realmente não tenho uma formula mágica que posso te dar para seu romance ou terror, ou seja o que for, ficar melhor. Mas, o que vou falar aqui vale praticamente para qualquer tipo de livro. E essa aula se baseia na minha experiencia profissional como editor.

Se for livros técnicos, é importante você estar conectado com seu público. Você precisa procurar saber quais as dores de seus leitores, o que eles procuram em livros como o seu. Cuidado para não entregar conteúdo que você acha que é o que o seu público procura, enquanto na verdade não é.

Não escreva um livro somente para você. Escreva um livro para o seu público, para os seus leitores. Cuidado: o ego pode ser um inimigo que chega sem você perceber e que poderá destruir sua carreira. Escreva para que pessoas entendam. Busque clareza e equilíbrio.  Vou exemplificar isso para você: se o seu livro, por exemplo, for ensinar a fazer alguma coisa, tipo construir casas do zero, só para exemplificar. Mesmo que você seja o guru das construções, entenda que muitos dos seus leitores não saberão absolutamente nada.

O seu livro não seria construir casas do zero correto? Então é do básico ao avançado. Mesmo que o básico para você seja algo “bobo” para muitos dos seus leitores não será.

Por isso, dedique-se em escrever de tal forma que você realmente consiga entregar o que os leitores vão procurar. Tudo com clareza e de tal forma que eles (os leitores) se sintam parte do seu público. Os seus leitores devem se sentir respeitados e integrantes da sua tribo.

Não deixe o Conhecimento se tornar uma maldição em sua vida (Maldição do conhecimento). Pode acontecer de você dominar tanto um assunto que na hora de ensinar até mesmo o básico você não consegue por achar que seus leitores também já sabem pelo simples fato de você já saber. Por isso, trate seus textos com muito carinho e cuidado.

Não é porque você já sabe que os seus leitores são obrigados a saber. Eu conheço escritores que não conseguem ensinar coisas básicas. Eles travaram.

Por isso é extremamente importante estar alinhado com seu público. Organize grupos em comunidades para discutirem idéias, fazer enquetes para descobrir as dores de seus leitores.

A sua audiência está em primeiro lugar: o seu público não irá ler o seu livro para aplaudir você. O objetivo deles não é ler cada página para no final aplaudir ou não você. Eles irão ler porque estão sedentos por informação. Pode ser uma busca por soluções para alguma dor (resolver algo) ou simplesmente querem se divertir. Não importa. Mas, o que eles querem no final das contas são as informações que estão em cada página do seu livro, é isso que motiva eles a ler página por página.

Seja claro e objetivo.  Você tem que entender que os leitores não sabem o que está dentro de sua cabeça. Eles precisam ler o seu texto e entender.

Se existir no mercado livros semelhantes ao seu, veja o que esses livros estão entregando.  O que eles abordam?

Não faça igual, faça melhor.  Se você for lançar um livro que já existe um concorrente no mercado, não perca seu tempo fazendo um material igual. Ao invés disso faça melhor.

Busque inspirações em escritores que você admira: principalmente se está começando agora e ainda não lançou nenhum livro você pode sim buscar inspirações em escritores que você admira. Leia os livros dele, entenda como ele faz. Mas, não emite-o. Não seja um papagaio. Desenvolva ao longo do tempo o seu próprio estilo. E acredite: o seu próprio estilo vai aparecer. Tem uma frase que diz: papagaio que tenta imitar João de Barro acaba virando servente de pedreiro.  Não seja papagaio, não tente imitar, encontre o seu próprio estilo. E o seu próprio estilo vai aparecer com a prática. Pratique e não se preocupe. O seu próprio estilo vai aparecer.

Principalmente para livros técnicos e afins, livros de estudo no geral: entregue o que você prometeu.  O pior tipo de livro para estudo é aquele que não entrega o que ele se propõem.  Já vi livros que a capa dizia uma coisa, mas, o conteúdo era outro. Já vi livros que entregaram somente 90%, 80%, 70% ou menos do que foi prometido.

Mantenha-se organizado: se for possível, faça um resumo de toda a idéia central do seu livro. E melhor: se for possível, faça antes de começar a escrever, um sumário provisório contendo os capítulos e os tópicos principais que vai abordar. Isso mantem o seu trabalho de escrita mais organizado e impede que você se perca. Esses resumos e sumários provisórios em livros técnicos e livros que ensinam a fazer algo ou ainda que resolvem uma dor dos leitores  são fáceis de fazer.

Monte uma agenda de escrita: monte uma agenda semanal e mensal de escrita, do inicio ao término do seu trabalho. Siga ela a risca e não se deixe “auto sabotar” com pensamentos negativos (“não vou conseguir”, “não sei escrever”, “não vai ficar bom”, “é muito difícil”, “o conteúdo é muito grande” etc).

Cumpra fielmente a agenda de escrita de cada dia, cada semana e conseqüentemente cada mês.

Leve o trabalho de escrita a sério: não deixe que distrações te faça descumprir a agenda do dia. O seu local de escrita deve ser um santuário sagrado. Durante a escrita,  mantenha longe de você: celulares e tablets. Desligue a internet do seu computador se você possui o péssimo hábito de se distrair a qualquer momento: acessa sites inúteis, verifica o e-mail, ou até mesmo se você recebe notificações de sites e aplicativos. Se você trabalha com a escrita em um local onde não possui privacidade, onde pessoas exigem sua atenção a qualquer momento você terá um grande problema na produtividade.  Consiga um local no imóvel onde você terá total privacidade. E internet só se for necessária para o seu projeto (pesquisas, acesso a informações técnicas, etc).

A revisão é importante: há dois tipos de revisão: a revisão técnica e a revisão ortográfica.  Ambos costumam ser serviços “caros”.

A revisão técnica, caso se aplique ao seu livro, você mesmo pode fazer.  Basta ler várias vezes e procurar minunciosamente por possíveis erros.

A revisão ortográfica: pague um profissional ou use um programa de revisão ortográfica.  Tente você mesmo caprichar ao máximo.  Você conhece um amigo formado em letras, aquele amigo bom em português?  Olha aí uma excelente oportunidade para conseguir uma revisão bem em conta ou até mesmo de graça. O que você não pode deixar é o seu livro cheio de erros um mais bizarro que o outro.  Não faça isso, não lance um livro assim.

Tags: |

0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *